Thelma Tschope Nutricionista CRN 25654
Marque sua consulta

(11)3768-0123
(11)99100-9661

Estresse

Por Adriana Takahashi

(Esse texto foi utilizado para uma matéria que saiu no encarte especial da Revista Caras do dia 13/06/2012)

 

O estresse é uma reação do nosso organismo frente a uma situação ou agente desencadeante (mudança de emprego/casa, doença, trauma etc) que alteram o nosso equilíbrio interno. É uma reação que temos em relação a uma situação de mudança (tensão), exigindo do organismo uma capacidade de adaptação e ajustamento aos estímulos internos e externos.ao novo contexto ou mudança.

Toda mudança gera estresse, seja ela boa (promoção, nascimento de filho) ou ruim (ser despedido, bater o carro etc). Ele faz parte da vida, não sendo possível eliminá-lo por completo. É um mecanismo necessário para nós, pois sem ele não conseguiríamos nos prevenir ou evitar situações de perigo ou grande dificuldade, por exemplo. Ele é uma resposta do indivíduo que tenta ajustar-se às pressões externas e internas. Tais pressões que nos levam ao estresse são o que chamamos de Agentes Estressores.

O estresse, quando positivo, proporciona o aumento da vitalidade, uma visão mais otimista, possiblita mudança de atitudes buscando a melhoria para si e para o meio que rodeia o indivíduo. Ele funciona como um mecanismo de adaptação e sobrevivência.

Porém, quando diversos fatores desencadeiam o estresse continuamente, o indivívduo pode ser prejudicado. Tudo dependerá da maneira como ele enxerga, vivencia e encara tais situações. Caso ele tenha uma visão mais pessimista, é provável que o estresse se torne patológico fazendo com que fique sempre em estado de alerta, podendo levá-lo ao esgotamento.

Podemos citar como exemplo o caso da doença do ator Reynaldo Giannechini. Seu Agente Estressor foi o diagnóstico do câncer raro que o acometeu. A maneira como ele lidou e enfrentou a situação mais crítica da sua vida foi impressionante. A sua visão otimista foi determinante para que conseguisse passar por isso de uma forma mais leve (se é que podemos mensurar…). Ele foi submetido a uma tensão muito grande, sofreu sim consequências, mas poderia ter sido muito pior se não tivesse tão otimista em relação a sua cura.

Como sabemos, nos dias de hoje, as mudanças e exigências são constantes e a necessidade de estar sempre atualizado, se destacando no trabalho, cuidando da família etc tem sido cada vez maior. Devido a tais ciscunstãncias, pressões e tensões do dia-a-dia, percebemos que ao ser colocado constantemente em situações estressantes, o indivíduo dificilmente consegue voltar ao seu estado normal. Portanto, consideramos o estresse patológico a partir do momento que a pessoa está constantemente tentando se adaptar à novas situações. O estresse patológico traz reações e sintomas diversos, tais como: problemas com o sono (insônia, sono agitado e/ou entrecortado), irritabilidade, cansaço físico e mental constantes, mau humor, isolamento social, pessimismo, depressão, ansiedade, dificuldade de concentração, fadiga etc.

Se o indivíduo não procurar ajuda profissional ou mudar seus comportamentos e atitudes frente às situações que desencadeiam o estresse, a piora do quadro é inevitável. Se ignorar tais avisos, nosso próprio organismo se incumbe de fazer com que paremos (um ataque cardíaco, derrame, aumento da pressão arterial etc).

O estresse faz parte do indivíduo, não sendo possível anulá-lo em nossa vida. Sem ele não sobreviveríamos. Porém, é possível fazer com que as pessoas se ajustem, identifiquem e aprendam a lidar melhor com os diversos fatores estressantes do cotidiano. O primeiro passo é tomar consciência e perceber o quanto você está se prejudicando com isso.

 

Dicas para combater o estresse:

  • Sempre se perguntar se vale a pena ficar estressado com aquela fechada que levou      no trânsito, por exemplo. Portanto, evite ao máximo irritar-se com pequenas coisas, coisas que não vão agregar nada em sua vida. Quem fica com raiva é você. Lembre-se que “a raiva é um veneno que nós tomamos esperando que o outro morra.”
  • Ao se perceber em um momento de crise e dificuldade tente refletir e identificar algo bom. Depois da tempestade sempre vem a calmaria e é nesse  momento que tiramos algum aprendizado para a vida.
  • Sair e se divertir com o parceiro, amigos e familiares colabora para o bem-estar pessoal. Jogar conversa fora, divertir-se e dar risadas são ótimos ingredientes para combater o estresse.
  • Sempre tirar férias e fazer algo que seja diferente à rotina. Sempre recomendo duas férias por ano de 15 dias cada. Caso não seja possível, aproveitar o final de semana e feriados para uma viagem para conhecer e visitar um lugar diferente, mesmo que seja próximo. Programar o fim de semana para fazer atividades relaxantes e que sejam prazerosas, como ir ao parque, por exemplo.
  • Não seja perfeccionista, tão crítico com você. Ninguém é perfeito e todo mundo erra em algum momento da vida.
  • Ter uma boa noite de sono é essencial. O sono é reparador e proporciona o descanso e relaxamento necessários para as tarefas do dia-a-dia.
  • Tente organizar o seu dia para fazer as coisas sem pressa e com calma. Organizando-se adequadamente e otimizando o tempo que tem disponível.
  • Exercícios de relaxamentos colaboram para a diminuição do estresse. Respirar profunda e lentamente. Tente se desligar por alguns instantes de tudo.
  • Encontre sempre que possível um tempo para você.
  • Alimentação equilibrada e saudável.
  • Praticar esportes (caminhada, corrida, pilates, alongamento etc).

(Esse texto foi utilizado para uma matéria que saiu no encarte especial da Revista Caras do dia 13/06/2012)

Adriana Takahashi – Psicóloga clínica

Contato: [email protected]

Discussão:

Um comentário

Escrever uma resposta ou comentário

Subscribe!

Vá para o Topo